Moção de Repúdio à Gestão do Câmpus Maceió

Publicada em 28/06/2017 às 13:16 - Atualizada em 28/06/2017 13:49
Ésio Melo
  

No dia 23 de junho, véspera da festividade junina de São João, os servidores do IFAL no câmpus Maceió foram tratados, de maneira diferenciada, pela gestão. Ao definir a data como ponto facultativo, dispensou os docentes de suas atividades e determinou expediente normal, das 7h às 18h, para os servidores administrativos.

 

O Sintietfal chegou a tentar intermediar o tratamento igual para todos os servidores no câmpus e, no dia anterior ao ponto facultativo, procurou a gestão. Na ocasião, a Diretora de Ensino, Gisele Loures , informou que a decisão de estender o horário dos TAEs partiu da Diretora-Geral substituta, Maria Emília, a partir de informação vinda da DGP, de que, devido à impossibilidade de os Técnicos reporem o dia de trabalho, estes não teriam como ser também contemplados com a medida. Disse ainda que os docentes reporiam esse dia em 9 de julho, durante os jogos estudantis.

 

A falta de informação e transparência das decisões no câmpus Maceió gera para os servidores um sentimento de desconforto e de falta de isonomia entre as categorias. Não é a primeira vez que isso acontece e, quase sempre, são os TAEs os mais prejudicados pelo tratamento desigual dado pelos gestores.

 

Nesse sentido, a Assembleia Geral Extraordinária, do dia 26 de julho, repudia a atitude da gestão do câmpus Maceió nesse episódio. O Sintietfal acredita que é possível avançar na democratização das gestões e apostar na tomada de decisões coletivas, que fortaleçam o sentimento de isonomia entre os TAEs e Docentes. 

 

Seguimos na luta por tratamento igual e respeito a todos os servidores!

 

Maceió, 28 de junho de 2017.


Sindicato dos Servidores Públicos Federais da Educação Básica e Profissional no Estado de Alagoas.

O conteúdo dos comentários abaixo é de responsabilidade de seus autores e não representa a opinião deste portal.

Curta no Facebook